You are here: Home / Theses / Ocitocina sérica e comportamento afetivo de cães na interação com crianças e adultos / About

Ocitocina sérica e comportamento afetivo de cães na interação com crianças e adultos

By Luelyn Jockyman

View Link (HTM)

Licensed under

Category Theses
Abstract

A ocitocina tem sido usada como parâmetro para medir os laços sociais em animais. Recentemente foi demonstrado que a concentração de ocitocina aumenta em cães e donos quando interagem positivamente e, possivelmente, que na interação com crianças e adultos, cães fêmeas são mais afetivas do que os cães machos. Objetivo: determinar se existe diferença nos níveis séricos de ocitocina e no comportamento afetivo de cães machos e fêmeas, quando interagem com crianças e adultos. Método: foi realizado um estudo experimental, com 6 machos e 6 fêmeas da raça Beagle, pertencentes ao Laboratório de Ensino de Zootecnia (LEZO) da Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Antes da interação foi colhido sangue para determinação da ocitocina basal dos cães. O teste foi filmado durante 3 minutos para posterior análise dos comportamentos caninos, enquanto os animais estiveram em contato com uma menina, fechados em uma sala, um após o outro, intercalando machos e fêmeas, sucessivamente. Retirados do local, voltaram as suas baias, e após 10 minutos foi feita nova coleta de sangue. Para determinação dos valores de ocitocina séricos será utilizado o Oxytocin ELISA kit ADI-900-153A-0001 da Assay Designs. As dosagens séricas de ocitocina serão testadas para normalidade e igualdade de variância e, se de distribuição normal, avaliadas pelo teste t de Student. As interações entre cachorros e participantes foram registradas ao longo de180 segundos por uma câmera de vídeo colocada no centro do teto da sala de teste. A partir de um etograma previamente determinado foi feita uma análise das gravações. Latência, frequência e duração total dos comportamentos foram medidas, utilizando um sistema de medição baseado no tempo. Resultados: após análise, entre os 15 comportamentos, apenas a latência para intenção de contato e comportamento de fuga foram significativamente diferentes entre machos e fêmeas, p de 0,03 e 0,003, respectivamente. Todos os demais não demonstraram diferenças estatísticas significativas. Segundo a análise subjetiva dos pesquisadores, fêmeas se mostraram mais dóceis com crianças do que machos. Os ensaios para ocitocina sérica não puderam ser realizados. Conclusão: Análise do comportamento demonstrou que em dois parâmetros as fêmeas tiveram interação mais prazerosa com a criança. Após a dosagem da ocitocina, esta conclusão poderá ser corroborada. 

Oxytocin has been used to measure social bonds in animals. Recently it has been shown that oxytocin concentration increases in dogs and owners when interacting positively. It is expected that during interaction with children and adults, female dogs are more affective than male dogs, resulting and the augmentation of serum oxytocin levels. Objective: To determine if there is a difference in serum oxytocin levels and affiliative behavior in male and female dogs when interacting with children and adults. Methods: an experimental study was done, with 12 Beagles, 6 males and 6 females, belonging to the Laboratory of Animal Education (LEZO) of the Faculty of Agronomy, Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS). Prior to the interaction, blood was collected for determination of basal oxytocin in dogs. The test was filmed for 3 minutes for further analysis of canine behavior, while the animals were in contact with a girl, closed in a room, one after the other, intercalating males and females, successively. After this period, they returned their stalls, and 10 minutes later, the blood was drawned again. For determination of serum oxytocin values the Oxytocin ELISA kit ADI-900- 153A-0001 from Assay Designs will be used. Serum oxytocin dosages will be tested for normality and equality of variance and, if normal distributed, evaluated by the Student t test. Interactions between dogs and participants were recorded over 180 seconds by a video camera placed in the center of the test room ceiling. From an ethogram previously determined by the researchers, an analysis of the recordings was made. Latency, frequency and total duration of behaviors were measured using a timebased measurement system. Results: after 15 behaviors analyses, only latency for intention of contact (p=0.03) and escape behavior (p=0.003) were significantly different between males and females. Other behaviors did not show significant statistical differences. According to the researchers' subjective analysis, females were more docile with children than males. Serum oxytocin assays could not be performed. Conclusion: Behavioral analysis showed that in two parameters females had a more pleasant interaction with the child. After the dosage of oxytocin, this conclusion can be corroborated.

Submitter

Marcy Wilhelm-South

Purdue University

Date 2017
Pages 46
Department Faculdade de Medicina
Degree mestrado
URL http://hdl.handle.net/10183/179702
Language Portuguese
University Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Cite this work

Researchers should cite this work as follows:

Tags
  1. Animal behavior
  2. Animal roles
  3. Animal welfare
  4. Human-animal relationships
  5. open access
  6. Oxytocin
  7. Pets and companion animals
Badges
  1. open access